11/07/2005

os dias passam...

... e eu permaneço sem ti, sentindo a tua falta, como uma flor sente a falta de sol.
Já te tentei esquecer, obriguei-me a pensar que talvez tu não voltes mais, pensei que tu partiste para destino incerto, permanecendo lá tempo sem fim. Tudo, mas tudo, só para te esquecer.
Para pensar que tu já não fazes parte da minha vida, para me forçar a seguir a minha vida, para me obrigar a seguir em frente.
Não é fácil, mas quanto mais penso em ti, mais doloroso é em mim. Quanto mais te quero, mais parece que a tua voz já não é a mesma, que os teus olhos já não olham para mim e o teu sorriso já não me pertence.
Os sussurros que ouço ao ouvido não são os teus, e como sinto a falta dos teus... Como aquelas palavras copiadas poderiam ser as tuas, mas quem as diz é alguém completamente diferente, alguém que com a voz me tenta ludibriar.
Como o toque é diferente, diferente daquele toque especial, que só tu sabias.
Como os lábios que procuram os meus nem sequer se aproximam daquilo que eu esperava.
O beijo pelo beijo torna-se numa estranha sensação. Parece que ali falta alguém.
Faltas tu.
Falto eu.
Limito-me a seguir o que é normal, tocar onde é suposto tocar. Beijar quem está ao meu lado, se bem que quem está ali, perto de mim, tentando me convencer não és tu. Não és tu quem me toca, não és tu quem me beija.
A ilusão da noite tudo podia iludir. Mas mesmo de olhos fechados, tento procurar-te nas semelhanças sempre diferentes.
Pensei que podia acontecer. Pensei que a ilusão nocturna me saciasse a vontade de ti.
Mas não.
Ele não eras tu.

6 comments:

  1. Lindo esse texto... Muito bonito mesmo.

    ReplyDelete
  2. UAU!!!!!!!!!!!!!
    É um texto muito bonito, muito bem escrito e só tenho pena que seja sentido. Um abraço grande.

    ReplyDelete
  3. Que lindo! Mas, usando de indiscrição, é ficção ou realidade?

    ReplyDelete
  4. Não é realidade. É inspirado num momento, mas nada do que escrevi aconteceu.

    ReplyDelete
  5. ao contrário do que leste lá... eu digo-te o final... o rapaz olhou para ela com o olhar matador nº67, e perguntou nas maior das tranquilidades: "posso?!" "ela meio envergonhada consentiu... depois ficaram a conversar e a descobrir que já andavam atrás um do outro há pelo menos uns 3 meses...

    ReplyDelete